Publicado por: barueriemdia | dezembro 4, 2008

POLÍTICA EM JANDIRA/SP – PM é chamada para conter briga na Câmara de Jandira, veja Imagens

Palavrões, socos e até gás pimenta rechearam a sessão da Câmara que votaria a cassação do vereador Zezinho. Militantes do PT deixaram o plenário cantando “se gritar pega ladrão, não fica um meu irmão”

Veja Fotos do Tumulto e das brigas: www.webdiario.com.br


Vanessa Dainesi
(politica@webdiario.com.br)

Um verdadeiro caos. Foi essa a sensação de quem esteve, ontem, na Câmara de Jandira para acompanhar a sessão extraordinária que votaria o requerimento que pede a abertura de uma CEI (Comissão Especial de Inquérito) contra o vereador Reginaldo Camilo dos Santos (PT), o Zezinho, que é acusado de quebra de decoro parlamentar.

O pedido de CEI contra Zezinho foi baseado em uma denúncia feita pelo vereador petista que afirma ter documentos que provam que o vereador Waldemiro Moreira de Oliveira (PDT), o Mineiro, recebeu R$200 mil para votar favorável às contas do prefeito eleito Braz Paschoalin (PSDB). Mineiro nega as acusações e afirma categoricamente que Zezinho está mentindo.

A sessão de ontem começou às 9 horas e depois de alguns minutos teve que ser encerrada devido à falta de segurança. Durante a discussão do requerimento, militantes ligados ao PT (Partidos dos Trabalhadores) e ao PSDB (Partido da Social Democracia Brasileira) gritaram, apitaram e fizeram ‘gritos de guerra’ para atrapalhar o andamento dos trabalhos da Casa.

Em um dos momentos de confusão, os militantes gritaram “vamos quebrar tudo”, em seguida, jogaram sobre os vereadores copos d’água, moedas e até um pino de segurança de um extintor.

Temendo um conflito maior, o presidente da Câmara, Geraldo Teotônio (PT), o Gê, suspendeu a sessão e pediu para que os funcionários chamassem reforço policial. Quinze carros da Polícia Militar foram encaminhados ao local.

O ponto alto da confusão em Jandira começou quando a PM tentou esvaziar o auditório da Câmara. Sem medir o tamanho das conseqüências, os policiais jogaram spray de pimenta na direção dos militantes. O ato gerou tumulto e militantes chegaram a invadir o plenário para tentar agredir vereadores. Houve empurra-empurra e muito bate-boca entre vereadores e militantes.

Nova tentativa e mais porradas

Depois de 30 minutos de muita confusão, o presidente da Câmara voltou ao plenário com objetivo de reiniciar a sessão e colocar em votação o requerimento contra o vereador Zezinho.

Para isso, o plenário foi cercado pela PM e, antes de iniciar as discussões, Gê pediu para que todos os militantes ficassem calmos. A paz durou pouco. Assim que o vereador Henri Sato (PMDB) solicitou tempo para falar sobre o requerimento, as ‘torcidas organizadas’ voltaram a gritar. Diante da situação, o presidente da Câmara, Geraldo Teotônio (PT), o Gê, encerrou a sessão temendo pela segurança do público e dos vereadores. “Não posso deixar esse tumulto continuar. Vocês já jogaram um copo d’água, o pino de segurança de um extintor, se eu permitir que essa sessão continue, alguém pode acabar se machucando e eu não quero nenhum vereador ou munícipe ferido dentro da
Câmara”, disse Gê, aos militantes.

O ato foi comemorado pela militância do PT que deixou o plenário cantando o refrão de uma música popular, “se gritar pega ladrão, não fica um meu irmão”.

Nova sessão, com reforço policial

Depois de encerrada a sessão, os vereadores se reuniram em uma sala, com a presença da imprensa, para definir nova data para discutir o requerimento. Nova sessão acontece na sexta-feira, dia 5, às 8 horas.

Segundo o presidente da Câmara será montado esquema de segurança especial para evitar qualquer tipo de conflito e brigas. “Só quero deixar bem claro que, como integrante do PT, sou totalmente contra a cassação do Zezinho, entretanto, sou presidente da Câmara e não posso impedir a sessão e muito menos impedir um vereador de apresentar um requerimento, então, a única coisa que me resta é garantir que a sessão ocorra com segurança”, disse Gê, que aproveitou a presença da imprensa para pedir publicamente o apoio de Zezinho para conter os militantes do PT na sessão que deve acontecer nesta sexta. “Quero ajuda do Zezinho para que situações como essa não se repitam. Tive que encerrar a sessão com medo de um conflito entre a PM e os militantes”, completou.

Já Zezinho aproveitou a oportunidade para botar mais ‘lenha na fogueira’ e comunicou ao presidente da Câmara que só vai interferir, se o vereador Gê, conversar com o parlamentar Altamir Cypriano (DEM), o Mi. Segundo Zezinho, o democrata agride verbalmente os militantes que acabam revidando com os ‘gritos de guerra’ a seu favor. “Sempre que ele (Mi) usa a tribuna é para ofender de alguma forma os militantes do PT, então não tenho como pedir para que as pessoas respeitem um vereador que usa o poder para pisar nos demais”, garantiu Zezinho.

Segunda sessão suspensa

Esta é a segunda vez que uma sessão é encerrada em Jandira por falta de segurança. No último dia 25 de novembro, a última sessão ordinária de 2008 também foi suspensa devido ao tumulto gerando por militantes do PT e PSDB.

Na ocasião, o vereador Waldemiro Moreira de Oliveira (PDT), o Mineiro, apresentou o requerimento que pede a instauração de uma CEI (Comissão Especial de Inquérito) para apurar o comportamento e as denúncias do vereador Reginaldo Camilo dos Santos (PT), o Zezinho, que é acusado de quebra do decoro parlamentar. Com a possibilidade da votação as ‘torcidas organizadas’ dos partidos lotaram o plenário do Legislativo. Devido ao grande bate-boca, o presidente da Câmara suspendeu a sessão por falta de segurança. O mesmo que aconteceu ontem.

Entenda o caso

1) O vereador Zezinho acusou o vereador Mineiro de receber R$200 mil para votar a favor da aprovação das contas do ex-prefeito Braz Paschoalin.

2) O ex-prefeito Braz Paschoalin teve essas mesmas contas rejeitadas pelo TCE e precisava da aprovação da Câmara para poder concorrer a prefeito em outubro desse ano. Eleição que ele venceu.

3) O vereador Mineiro revoltado com a acusação de Zezinho entrou com requerimento na Câmara pedindo abertura de CEI por quebra de decoro parlamentar por parte de Zezinho. Se o requerimento for aprovado pela maioria, Zezinho perde o mandato atual e não assume em 2009, ele foi o mais votado em Jandira.

4) Militantes do PT revoltados com o requerimento de Mineiro lotaram o plenário da Câmara para impedir a cassação de Zezinho. Para eles Zezinho é inocente e apenas fez um bem à população em denunciar possível pagamento de propina aos vereadores.

5) Zezinho diz ter provas de que Mineiro recebeu dinheiro de Braz.

6) O caso foi parar na polícia e no Ministério Público, enquanto isso a Câmara tenta cassar o mandato de Zezinho por achar que ao denunciar um fato desse houve quebra do decoro parlamentar.

 

Fonte: www.webdiario.com.br

Pesquisa: Jr. Holanda

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: