Publicado por: barueriemdia | dezembro 4, 2008

Tragédia no Sul : Chuva deixa um terço das praias do Estado de SC indisponíveis no Natal e Ano-Novo

Praias localizadas numa faixa de cerca de 150 km do litoral de Santa Catarina devem permanecer indisponíveis durante o Natal e o Ano-Novo, segundo previsão da Famai (Fundação do Meio Ambiente de Itajaí).

O número de mortos devido às chuvas chega a 118 em todo o Estado, segundo balanço divulgado nesta quinta-feira pela Defesa Civil de Santa Catarina.

Desde o início das chuvas até hoje pela manhã, 45.932 pessoas que foram obrigadas a deixar suas casas retornaram para suas residências. Na última segunda-feira (1) eram 78.701 os desabrigados ou desalojados.

Atualmente 5.533 estão desabrigados –dependem de abrigos públicos– e 27.236 estão desalojados, ou seja, ficam hospedados na casa de amigos e familiares.

Na segunda-feira (1) o governador de Santa Catarina, Luiz Henrique da Silveira (PMDB), afirmou que as chuvas que atingem o Estado comprometeram 40% da produção econômica da região do Vale do Itajaí –setor mais importante da economia estadual.

Entre casas destruídas, prédios públicos e rodovias a chuva também danificou parte do Porto de Itajaí, que deve demorar seis meses para ser refeito.

As medidas para reverter a situação do Estado incluem ainda uma campanha publicitária estadual, que visa mostrar que a infra-estrutura do litoral está preparada para receber os visitantes. A campanha não tem data para começar.

Salinidade

Além das belezas naturais –parte delas atingida pela chuva– o Estado de Santa Catarina é famoso pelas praias. Uma das etapas do WCT (World Championship Tour), um dos mais importantes torneio de surfe do mundo, é realizada no Estado.

O diretor de fiscalização e educação ambiental do Famai, Luiz Fernando Inácio, afirmou que ao menos 150 km de praias do litoral –quase um terço dos 500 km existentes no Estado– ficaram comprometidos devido às chuvas.

Desde ontem o órgão está implantando placas de sinalização e orientação aos banhistas. O maior problema é a fusão do acúmulo de lixo e a salinidade –teor de sal– das águas.

“Um dos maiores problemas é a grande quantidade de entulho na areia, ferragens, pregos, ferrugens, animais mortos que ainda estão nas águas e aparecem na margem e a necessidade da renovação de areia”, afirmou Inácio.

Segundo ele, a troca de salinidade das águas nessa faixa de 150 km de litoral só deve ocorrer dentro de 20 dias a 30 dias, o que compromete as visitas pelos banhistas durante o Natal e Ano-Novo. Parte dessa área abrangida não foi tão prejudicada pela chuva quanto o Vale do Itajaí, entretanto, sofre os efeitos do que é levado pelas águas.

Um relatório de balneabilidade das praias deverá ser formulado pelo governo estadual.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: