Publicado por: barueriemdia | dezembro 9, 2008

No Equador, povo que vive até 120 anos fuma, bebe álcool e usa droga

ADRIANA KÜCHLER
da Folha de S.Paulo, em Buenos Aires

“O século 20 foi o século dos antibióticos, das doenças cardiovasculares e do câncer, e o 21 é o da longevidade”, diz o médico e escritor argentino Ricardo Coler (autor de “Eterna Juventud – Vivir 120 Años”), ao justificar por que crê que Vilcabamba é a meca desta época em que ser saudável é fundamental.

O problema é que Vilcabamba carrega em si uma contradição. Apesar de viverem 120 anos e de não ficarem doentes, a conduta de seu povo está distante de ser regrada e a preocupação com a saúde passa longe de suas roças, puros e chamicos. O chamico é uma planta tóxica e alucinógena, também chamada de erva-do-diabo, que antigamente era usada por xamãs e indicada para acalmar dores fortes, como a do parto.

“Seus primeiros efeitos podem ser comparados com os da maconha; depois de algumas tragadas, somam-se os da cocaína”, explica Coler. “Traz alucinações, pensamentos fantásticos, perda de memória, excitação e fúria.” Em Vilcabamba, virou hábito diário.

Ricardo Coler/Folha Imagem
José Medina, 112, parou de beber sistematicamente aos 106 anos, mas de vez em quando ainda toma "um puro" (aguardente)
José Medina, 112, parou de beber sistematicamente aos 106 anos, mas de vez em quando ainda toma “um puro” (aguardente)

“Aos amantes da virtude é insuportável que os vilcabambenses vivam mais tempo e em melhores condições que os que não têm vícios. Parece injusto”, afirma Coler. “Nada do que eles fazem é recomendável.”

Um médico que foi estudar aquele povoado saiu de lá sem grandes conclusões e a única mensagem que deixou para aqueles senhores foi: “Não comam sal”. Os longevos, é claro, ignoraram o conselho.

Como agir sem regras a seguir? É difícil, acredita Coler, numa época em que a medicina ocupa um lugar muito parecido com o que já teve a igreja. “Se você segue suas vontades, paga com a doença. Sempre o estão castigando com o que você faz. Quem pode discutir hoje um conselho médico? Se a medicina diz, é verdade.”

Velhice como doença

O médico está menos preocupado em encontrar a razão para a longevidade dos cidadãos de Vilcabamba do que em buscar fundamentos para a sua idéia da velhice como uma doença, entre tantas outras.

“Dizer que é normal e que todo mundo envelhece, mesmo que não pareça, é uma forma de pensar. Uma posição filosófica”, argumenta Coler no livro. “Será a doença mais difundida de todas, mas é uma doença. Parece que em Vilcabamba há uma espécie de antídoto que produz uma melhora.”

Ele cita estudos que determinam que há cerca de dez causas de ordem molecular que provocam envelhecimento e sobre as quais em algum momento será possível atuar.

“Então os 120 anos que até agora são um limite podem se converter em 150. Velhice e morte deixarão de ser palavras absolutas”, acredita.

Em Vilcabamba, conta Coler, as pessoas não sofrem durante anos com doenças. Um dia, sentem-se mal e morrem. “Gostaria que meu pai pudesse ter tido uma velhice como a de um deles. Seria bom se todos os problemas da idade não se estendessem, se juntassem por um período curto no final da vida”, afirma Coler, que, enquanto conhecia os saudáveis idosos equatorianos, tinha que administrar as idas ao hospital e as enfermeiras dos pais, “apenas” octogenários, mas doentes e dependentes.

Para ele, quando –e se– a fórmula da fonte da juventude do povoado equatoriano for descoberta, talvez ela até possa ser distribuída. Mas, enquanto a água ou o ar vilcabambenses não chegam pelo correio, é melhor prevenir.

“O que hoje funciona é a prevenção. Mas prevenir muito tem algo de perverter um pouco”, escreve Coler. “Tomara que em Vilcabamba exista outra possibilidade, a de viver mais sem se mortificar tanto.”

Leia mais

Fonte: Folha On Line

Pesquisa: Jr. Holanda

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: